18 de outubro de 2009

Quem?

Eu sou a remanescência do meu passado
Sou o medo encorajado de meus tormentos
Trago comigo a dor corrosiva enrustida em meu peito
Sou um pouco da vida, um tanto da morte
Eu sou a estância das razões do meu ser e ainda estar
Sou ainda o não entender do meu compreender.